fbpx

Surrealismo no Linkedin

S

Parece que o movimento surrealista retornou ao mundo. Agora surfando na área corporativa de TI.

Surrealismo via Wikipedia:

Estilo artístico baseado combinação do representativo, do abstrato, do irreal e do inconsciente.

Por que associo este movimento das belas-artes ao povo da TI?

Por que a galera tem vivido mais na área dos sonhos, no ambiente onírico do que na realidade.

Percebo isso quando abro o Linkedin (a febre em termos de ferramenta de rede social da área corporativa) e vem aquela enxurrada de posts na minha linha de tempo. Em qualquer dia, em qualquer horário me deparo com coisas tipo:

Buscamos talentos na área de suporte. Salário: R$ 1.000

O valor do salário não combina com a expressão talento.

Termo este que tornou-se um chavão mascado e transcendendo a um escárnio institucional, pois a grana chega a ser aviltante para se pagar a um “talento”. Só se for como na antiguidade, como “ele vale alguns talentos”. Mas não de ouro, claro.

Primeiro encontro de lideranças na empresa onde…

Empresas com sete pessoas fazendo encontro de lideranças é duro.

E o pior: só falar em liderança é olha para o próprio umbigo.

Ninguém comenta em desenvolvimento de times. Isso não dá ibope. Ou, pelo menos, certificado publicado no Linkedin.

Então enquanto o sujeito aprende a ser general, o povão lá embaixo aprende a procurar emprego, pois o sujeito que deveria desenvolvê-los está a se desenvolver.

Atendente cognitivo agora tem movimento, voz e um sorriso

Putz…

Agente cognitivo e chatbot tem presença mais farta no Linkedin do que pulga em cachorro de rua. Todo mundo tem o seu, mas quando se tenta usar, dá vontade de estrangular.

Nem vou citar a Aura da Vivo que responde o que não desejamos, ou a Bia do Bradesco que…

O ruim de os nomearem é que em vez de tornar o atendimento algo mais “humano”, associa-se a alcunha (não ia escrever a palavra nome novamente, procurei um sinônimo) a um sentimento de raiva.

Seja criativo, nada do óbvio

Cada vez que alguém coloca isso me sinto mais pra baixo.

Vem à mente “— Como não pensei nisso antes?”

“— Como não criei um Uber antes do Uber?”

“— Ou um AirBnB antes do AirBnb?”.

Fala sério, João, pare com esses lances de colocar vídeos de criatividade..

E a estratégia maligna: para garantir a atenção do leitor, o vídeo vem recheado de crianças ou pets (pets, arghs!).

Agradeço a Deus por…

Puxa, Deus embarca em todas mesmo, mesmo não querendo fazer a viagem.

O sujeito rala, estuda, assiste vídeos no ônibus fretado que chacoalha e demora duas horas até a sua cidade, abandona os happy hours com os amigos para aprender, há três meses não vê seu game preferido e tal e…

Quem ganha os louros é Deus? É ele, o sujeito que se esforçou.

Não me venham dizer que se não fosse Deus ele não teria isso ou aquilo. Please, people.

O mesmo vídeo de criatividade novamente

Lavosier viu sua expressão ser objeto da própria declaração.

“Nada se cria, tudo se transforma” transformou-se em “Nada se cria, tudo se copia”.

E lá vem o mesmo vídeo com novo texto, repaginado e atualizado para se alinhar com os “pensamentos” do publicador. Só que esse não tem nada de criatividade, pois pegou um vídeo que tem um bilhão de visualizações na internet e meteu um texto pronto.

Feito.

Ufaaa, dei uma de Olavo de Carvalho hoje. Foi descabido e gutural. Mas fazer o quê?

Quem está preocupado com o centro de suporte?

A minha questão é essa:

Enquanto quem ocupa cargos de gestão no suporte técnico trata de se especializar em liderança ou pensa em coisas oníricas (essas relacionadas a sonhos), o que é feito de seus times?

Alta rotatividade, salários baixos, pouco treinamento e por aí vai.

O foco não é em liderança, leitores.

É em gestão.

E gestão envolve administrar os recursos que se tem para alcançar os objetivos da empresa.

E buscar produtividade.

Por que cito isso?

Por que você precisa administrar!

Você não lidera:

  • Seus clientes, mas precisa administrá-los no sentido de deixar tudo a contendo.
  • Os outros gerentes de sua empresa, mas precisa administrar a situação que afeta o centro de suporte.
  • Seu chefe, mas precisa administrar sua relação apresentando seu desempenho e demandas de recursos.
  • Também seus subordinados, provavelmente seja o contrário!

Last call

Curso de Gestão de Serviços para Help Desk e Service Desk em São Paulo dias 10-11-12 de abril de 2019.

Já temos 7 alunos (dois de Pernambuco, dois do Rio de Janeiro, um do Paraná, um de Piraju/SP e outro de São Paulo). Restam apenas 2 vagas e gostaria que você ocupasse uma delas.

Clique aqui e inscreva-se, bro ou sister.

Ou compre um livro de liderança e fique mais murcho que boca de velho quando explicar ao seu chefe por que tem alta rotatividade no setor, baixo desempenho do time, etc.

Do último curso

Abrazon

EL CO

PS: Tentarei convencer meu guru Ricardo Mansur a aparecer no último dia. Um bônus que vale pelo curso inteiro. Ou o contrário: o curso vale como bônus da palestra do Mansur, hahaha.

Sobre o autor

Roberto Cohen

Mestre no Ensino de Atendimento para Help Desk, Service Desk e Suporte Técnico

Adicionar comentário

Categorias

Tópicos