Previsão do Gartner para ferramentas ITSM em 2018

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

O Gartner, uma das consultorias mais respeitadas e famosa pelas sua previsões sobre o futuro da tecnologia e afins soltou o seguinte post em sua rede social (o tema será apresentado em sua conferência anual):

gartner_itsm_tools

 

Tradução livre: [pullquote align=”right”]Em 2018, as ferramentas de suporte ao gerenciamento de serviços de TI eliminarão a necessidade por treinamentos em ITIL Foundation. [/pullquote]

 

 

 

 

Eu sempre achei as previsões do Gartner meio parecidas com a Fashion Week. fashionweek São apresentados modelos e roupas que serão tendência e no dia a dia você não vê ninguém usando aquelas coisas na rua.

O Gartner está forçando um pouco a barra. 

É claro que não podemos desconsiderar que mudanças disruptivas estão acontecendo. É claro que não podemos (e nem devemos!) fechar os olhos para inovações como automação, analytics e inteligência artificial.

Mas o que o Gartner está falando, em outras palavras, é algo como: “em 2018 a calculadora eliminará a necessidade das pessoas saberem matemática”.

Alguém no Gartner nunca deve ter feito um curso de fundamentos de ITIL na vida. Ou estão usando alguma estratégia sensacionalista de marketing de conteúdo.

Ou eu estou ficando velho. haha

4 Comentários


  1. Prezado amigo Renê. Precisamos tomar um café no início do ano. As coisas estão mudando muito rápido no nosso mundo. Antes do que prevemos não haverá necessidade de motorista para dirigir carros, salvo atrazo na alteração das legislações. Cabe dizer que o fato de “eliminar a necessidade de treinamento em ITIL Foundations” não significa a mesma coisa que eliminar a importância de uma boa gestão. As ferramentas farão sim o trabalho, e as nuvens tomarão para si grande parte das preocupações que tomadores de serviço possuem e até mesmo a necessidade do conhecimento de algumas das práticas operacionais, mas a gestão tática e tático-estratégica ainda terá grande importância em um Brasil onde o ensino ainda deixa muito a desejar, treinamento de ITIL Foundations que ensinem mais do que os fundamentos (você me entende) dados “na prática”, ainda terão seu valor. Não sei dizer sobre o resto do mundo. Abraços!

    Responder

    1. Grande Minarelli! Bom ver você passando ‘por essas bandas’. rs

      Em 2017 finalmente precisamos fazer acontecer esse café (e vai ter assunto acumulado pra caramba).

      Alguns contrapontos a respeito do seu comentário:

      1 – “Antes do que prevemos não haverá necessidade de motorista para dirigir carros, salvo atraso na alteração das legislações”.
      Não sei se é só uma questão de legislação. Acho que ainda temos muito a percorrer, ao menos no Brasil, para que isso se torne uma realidade. Até lá – do ponto de vista da TI – muitos incidentes, problemas, níveis de serviços, etc serão registrados e controlados com ferramentas opensource e o bom e velho excel.

      2 – ““eliminar a necessidade de treinamento em ITIL Foundations” não significa a mesma coisa que eliminar a importância de uma boa gestão.
      Como um profissional saberá a importância de uma boa gestão se ele vai perder o contato com os fundamentos da boa gestão? Concordo que há melhorias a serem consideradas no curriculum da ITIL foundations, mas continuo achando a afirmação do Gartner exagerada e espetaculosa. Você sabe melhor do que eu que um treinamento de fundamentos não trata só do service desk e de processos operacionais como Ger. de Incidentes, Problemas, etc (embora a maioria esmagadora das organizações estejam praticando, ainda, somente estes processos).

      3 – “As ferramentas farão sim o trabalho, e as nuvens tomarão para si grande parte das preocupações que tomadores de serviço possuem e até mesmo a necessidade do conhecimento de algumas das práticas operacionais”
      De quais empresas você está falando? Eu imagino que sejam algumas poucas das grandes. A maioria das pequenas e médias empresas não vão ter acesso a esse tipo de tecnologia tão cedo. Outro ponto, tudo isso está sendo discutido do ponto de vista do provedor de serviços, e não do CLIENTE. Acompanhe o time de vendas de um pequeno provedor de serviços de TI que pretende inovar, por exemplo sendo um MSP (Managed Service Provider) e veja a reação de um cliente quando ouve que ‘o atendimento será todo remoto, na nuvem’. Eles saltam dois metros de altura quando ficam sabendo que não haverá ‘um carinha da TI ali presencialmente”. Há um trabalho de educação/conscientização do cliente também. E isso no meu ponto de vista também vai demorar.

      Talvez eu esteja sendo um pouco cético demais. O tempo dirá!

      Grande abraço meu amigo!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *